Janeiro/2020

2020 só está começando e já temos novidades!

Prezado(a) Cliente,

Fizemos atualizações na Plataforma t-Risk e gostaríamos de compartilhar as novidades com você!

Antes, gostaria de agradecer aos nossos clientes pela confiança e parceria. O ano de 2019 foi espetacular e de muito crescimento para nós. Mantivemos antigas parcerias e conquistamos novos importantes clientes!

O que temos de novo no t-Risk?

  • Incluímos na plataforma um Projeto Modelo com orientações e dicas de utilização. Já está disponível para você lá no Cadastro de projetos (página # 089). Basta entrar na sua conta e ir até o botão Clientes > Projetos. Esse Projeto Modelo visa apresentar, de forma prática, todas as funcionalidades do sistema. Você pode até gerar o PDF do relatório de conclusão desse projeto para ver como ele fica organizado e usá-lo como base de conhecimento para elaborar sua própria análise de riscos.
  • Fizemos as adequações necessárias para a plataforma atender também à norma ABNT NBR ISO 31000:2018. Agora você pode usar a última versão da ISO 31000 como referência na elaboração das suas análises de riscos. No canto superior esquerdo de todas as páginas do projeto, você poderá escolher entre as referências da norma de 2009 ou sua última versão de 2018. Para obter a norma no site da ABNT, clique aqui.
  • Atualizamos o Contrato de Licença de Uso da plataforma e disponibilizamos na área de administração da sua conta. Para acessar, basta clicar sobre o Seu Nome > Meu perfil > Acesse aqui o contrato de uso vigente.


Em breve traremos mais novidades!

Riscos decorrentes da não integração das áreas de segurança nas organizações

Ataques e invasões causam danos às infraestruturas das organizações - tanto no mundo cibernético quanto no físico - e a terceiros também, como fornecedores e clientes. Eles também atraem a atenção dos órgãos governamentais. Com esses fatos em mente, a prevenção e o gerenciamento preventivo de RISCOS devem ser lembrados e tratados por profissionais de todos os setores da economia, sobretudo, das áreas de segurança, risco e resiliência.

À medida que as ameaças dos domínios cibernético e físico se tornam cada vez mais convergentes e complexas, as equipes de segurança da organização deveriam preparar-se com uma abordagem integrada das operações de segurança. A cibersegurança e a segurança física deveriam, inclusive, levar em consideração tecnologias avançadas, como inteligência artificial (IA) e aprendizado de máquina.

Atualmente, existem silos entre equipes de segurança que devem ser eliminados, permitindo que equipes de segurança físicas e de segurança cibernética trabalhem em conjunto para identificar ameaças e vulnerabilidades à medida que surgem e antes que tragam consequências negativas para a organização. A convergência dessas equipes, estratégias e estruturas também pode quebrar silos dentro da organização para aumentar a excelência operacional, melhorando a comunicação e o alinhamento da organização.

A sincronização de equipes físicas e cibernéticas permite uma estratégia mais coesa no combate a vazamentos de informações, ameaças internas, crimes cibernéticos, fraudes e crimes físicos. Em termos simples, a responsabilidade de proteger a empresa deve ser compartilhada além dos limites do departamento de TI ou de segurança física.

O desalinhamento entre equipes das seguranças física e cibernética pode criar lacunas na estrutura geral de segurança de uma organização e suas respectivas capacidades de proteção e resiliência. As organizações devem adotar uma abordagem coesa, unificada e integrada para mitigar os RISCOS apresentados pelo mundo interconectado de hoje.

A segurança física e cibernética são dois lados da mesma moeda!


Dezembro/2019

2020 nem começou e já temos mais novidades!

Prezado (a) Cliente,

Celebrando 4 anos de mercado, a Plataforma t-Risk anuncia sua parceria com a Núcleo Consultoria, passando a ser a representante oficial da plataforma.

A Núcleo é uma empresa de consultoria e assessoria em gestão de riscos, composta por gestores em segurança empresarial, administradores de empresas, advogados e engenheiros, preparada para atender seus clientes nas diversas necessidades de segurança e proteção. O aperfeiçoamento contínuo da equipe permite oferecer um padrão de qualidade superior em nossos serviços, com comprometimento e dedicação.

Atuando há mais de 15 anos no mercado nacional e internacional, com o objetivo de contribuir para o sucesso dos clientes, através de soluções integradas em gestão de riscos que assegurem a continuidade de seus negócios, de forma personalizada, economicamente viável e alinhada com a cultura da empresa, otimizando os controles humanos, técnicos e processos.

Saiba mais em http://nucleoconsult.com.br/

Apetite ao risco & Tolerância ao risco. Qual é a diferença? (Dezembro/2019)

Os termos “apetite ao risco” e seu primo próximo “tolerância ao risco” são frequentemente mal compreendidos, muito raramente usados ​​com bons resultados e comumente usados ​​de forma intercambiável.

Semelhante à palavra "risco", você pode ober diversas definições diferentes para esses termos.

Segue algumas definições potencialmente úteis:

 - Apetite ao risco: Um nível-alvo de exposição a perdas que a organização vê como aceitável, dados os objetivos e recursos do negócios.

 - Tolerância ao risco: O grau de variação do apetite ao risco que a organização está disposta a tolerar.

Dadas essas definições, uma analogia simples para apetite e tolerância seria a velocidade em uma rodovia. O departamento de trâsito estabelece um limite de velocidade. Isso pode ser pensado como análogo ao apetite ao risco e reflete as crenças dos tomadores de decisão em relação a um equilíbrio adequado entre fluxo de tráfego, desgaste das rodovias e e segurança pública (entre outras coisas).

As pessoas que usam a rodovia geralmente viajam a velocidades maiores ou menores que o limite de velocidade, em vez de exatamente no limite de velocidade, esse fato pode ser visto como análogo à tolerância ao riscos.

Embora o apetite ao risco possa ser pensado como uma linha desenhada na areia que ajuda a estabelecer expectativas, a tolerância ao risco pode ser pensada como a variação do apetite que leva as decisões diferentes em relação ao apetite ao risco (acima ou abaixo).
 
Saiba mais em https://www.totalrisk.com.br/o-produto
 
#trisk #avaliacaoderisco #iso31000


Novembro/2019

Você pediu, nós implementamos!

Prezado (a) Cliente,

Agora ficou muito mais fácil desenvolver sua avaliação de riscos com base na ISO 31.000.

Seguindo nosso compromisso de melhoria contínua e após inúmeras solicitações, incluímos em seu console de administração dos projetos um modelo totalmente preenchido que poderá lhe trazer informações preciosas sobre como extrair o máximo proveito da plataforma.

Acesse a plataforma usando seu login e senha cadastrados, vá até a área dos projetos e encontre lá o modelo que deixamos para você. O nome do projeto modelo, é: Projeto Modelo I - t-Risk.

Todos os campos estão preenchidos com dicas e informações sobre o preenchimento e qual a finalidade dos respectivos campos.

Esse projeto não irá impactar suas compras nem irá consumir seus créditos!

Lembre-se que você também tem disponível o Manual do t-Risk que além de orientar sobre a utilização da Plataforma, traz dicas sobre o processo de avaliação de riscos descrito na norma ISO 31000 de Gestão de Riscos.

Sucesso em suas avaliações de riscos!

Nos siga nas redes sociais e fique por dentro das novidades sobre gestão de riscos no Brasil e no mundo!